+55 41 3042.0444 | +55 41 3287.4955 | +55 41 98501.7891

41 3042.0444 | 41 3287.4955 | 41 98501.7891

marketing digital como você nunca viu.

Botão Menu - Muito Mais Digital

10 dicas para manter o controle entre o Caixa da Empresa e o Caixa Pessoal

Praticamente todos nós iniciamos a experiência com o dinheiro sozinhos. Alguns com a primeira mesada, outros com o primeiro salário, etc. Dificilmente alguém teve instruções, dicas, aulas sobre finanças pessoais. Assim, cada um foi aprendendo de forma amadora, ou como diz o ditado popular, “na marra”, com acertos e tropeços.

Naturalmente há aqueles com mais facilidade em lidar com o dinheiro, aqueles que cuidam e gastam menos e aqueles que gastam tudo o que ganham, que compram impulsivamente.

Veja neste link o que dizem as pesquisas sobre quem gasta mais, o homem ou a mulher: http://www2.uol.com.br/vyaestelar/cartao_de_credito.htm

Na vida conjugal, as finanças e os problemas financeiros também são motivos de separação (veja neste link uma pesquisa: http://www.infomoney.com.br/minhas-financas/planeje-suas-financas/noticia/2509147/veja-motivos-que-levam-homens-mulheres-separacao)

Tanto para o homem, como para a mulher, o problema da impulsividade ou descontrole financeiro chega a ser caso de tratamento com psicólogo ou terapeuta financeiro.

Ao passar pela faculdade, pelo menos até pouco tempo, não havia aulas de finanças pessoais.
Ao chegar ao mercado de trabalho alguns têm perfil mais empreendedor, iniciando seus negócios em busca de seus sonhos; já outros continuam a vida empregados no setor privado ou no serviço público (concursados). Em ambos, tendo seu negócio ou sendo empregados, também terão seu recurso, seu salário, para administrar.

A pessoa com perfil empreendedor vai buscar abrir seu negócio e, além das suas finanças pessoais para administrar, passará a ter que pensar também nas finanças da sua empresa. Independente do tamanho que seja, vai precisar administrar bem isto.

Aqui que acontecem muitos problemas com a administração do dinheiro. Muitos negócios não vão para frente, não se desenvolvem, porque a pessoa mistura o dinheiro e principalmente as despesas dos sócios com as despesas da empresa. Isto, a médio prazo, pode acabar por inviabilizar, falir a empresa que em muitos casos tinha um bom projeto, um bom produto ou serviço e que pela má gestão de caixa pode colocar tudo a perder.

Segue alguns passos importantes para você não “cair nessa” e poder viabilizar seu negócio (sendo feliz também com o dinheiro que vai para o seu bolso):

    1. No seu plano de negócios, estabeleça um valor, factível, viável, que vai ser sua retirada mensal, o seu Pró-labore e de seus sócios, quando houver. Siga isto à risca e só faça retirada extra após fechamento contábil, trimestral, semestral ou anual, onde você terá segurança para fazer retiradas. Veja as regras corretas com seu contador;

 

    1. Não se iluda, “sou sócio, dono” se tem dinheiro no caixa posso retirar quanto e quando quiser. Este é o maior erro. Lembre-se, primeiro a empresa tem que ser saudável financeiramente, tem que pagar as contas, ter uma reserva, reinvestir;

 

    1. Ser dono trabalha menos. Principalmente no início de uma empresa ser dono significa muitas vezes trabalhar mais e ganhar menos;

 

    1. Saldo de caixa Positivo, valor considerável no caixa: Cuidado! Às vezes quem não tem controle e vê muito dinheiro no caixa pensa que é tudo lucro e sai gastando. Outro erro fatal;

 

    1. Jamais use a conta bancária da empresa para pagamento de contas pessoais ou depósitos de valores pessoais. Tenha sempre uma conta bancária Pessoa Física e uma, ou mais, para Pessoa Jurídica. A mesma regra vale para uso do Cartão de Crédito;

 

    1. Trate e use seu dinheiro, da retirada mensal, como se fosse um trabalhador assalariado, que só tem aquele valor fixo e tem que dar para passar o mês. Da mesma forma que sua empresa precisa ter as contas bem organizadas, entradas das vendas e todas as despesas separadas por contas, custos, etc., você também deve ter seu orçamento bem organizado, de preferência com envolvimento e conhecimento do cônjuge e filhos, quando tiver;

 

    1. Não pague contas pessoais com dinheiro/caixa da empresa. Isto vai prejudicar o caixa e planejamento da empresa e poderá ter problemas contábeis ao informar dados à Receita Federal, no fechamento contábil;

 

    1. Uma vez definido seu valor, a retirada mensal, planeje seu orçamento adequando seu padrão de vida, suas despesas mensais com este valor. O segredo é você sempre consultar seu orçamento mensal, ele que vai mostrar se você pode comprar isto ou aquilo, vai lhe ajudar a priorizar o que realmente precisa;

 

    1. A empresa ganha tendo relatórios e análises reais, mostrando custos reais com sua atividade e facilitando tomadas de decisões;

 

  1. Seja disciplinado. Principalmente nos primeiros meses, nos primeiros anos de vida da empresa isto é difícil, mas a médio e longo prazos você vai ver que valeu a pena o esforço para dar “vida” à empresa, podendo fazer retiradas maiores, com segurança e ter uma empresa saudável financeiramente. 

Experiência na prática:

Nossa agência de marketing digital está indo para os 10 anos de atividade. Nos primeiros cinco anos eu tinha participação somente como sócio/investidor. Mas meus amigos (três), recém-formados, moravam com seus pais e iniciaram a atividade numa sala reformada na casa de uma das famílias. Na parte financeira sempre priorizaram o pagamento dos compromissos e a viabilidade da empresa, para depois fazer pequenas retiradas e jamais misturaram as contas pessoais com contas/despesas da agência. Não saíam gastando quando fechavam um bom contrato. Sempre que possível investiam em capacitação, estudos, cursos de aperfeiçoamento. Assim, aos poucos e sempre com o pé no chão, tudo foi se ajeitando e a empresa crescendo. Acompanhando nossa empresa e outras que conheço, afirmo que esta prática foi fundamental para a sobrevivência da agência e patamar que nos encontramos hoje.

Cleiton Sales de Ávila

Cleiton Sales de Ávila

Atua na área Administrativa financeira de empresas, finanças pessoais, Comercial e Gestão.
Com diversos cursos de aperfeiçoamento nestas áreas.
Bacharel em Economia – FAE Business School – Bom Jesus – Curitiba
Pós-Graduação em Finanças Avançadas – Fae Business school – Bom Jesus – Curitiba.